Ervas Aromáticas e Especiarias...

Ervas Aromáticas & Especiarias



É muito importante conhecer algumas ervas e especiarias, e saber com que alimentos cada uma combina melhor, ressaltando o sabor do alimento e incrementando o seu paladar.


Manjericão ou Alfavaca
Erva fina de aroma marcante, o manjericão combina muito bem com tomate, berinjela, abobrinha, frango e vitela. Como o calor diminui o seu aroma, fica melhor se adicionado no final da receita.
Digestivo, sedativo, tónico, baixa a febre; é auxiliar no tratamento de infecções bacterianas e parasitas intestinais.
Uso:
tomates, massas, berinjela, peixes de carne firme.

Louro
A folha de Louro é um dos componentes do Bouquet Garni. O Louro combina com sopas, peixe em geral, carnes, frango e terrines. Geralmente uma folha basta para aromatizar o prato.
Antioxidante, digestivo; estimula o apetite; é auxiliar no tratamento da gripe.
Uso:
 cozidos, assados, feijões, massas, caldos e carnes.

Cebolinha
Cortada em pequenas rodelas a cebolinha realça as saladas, os ovos e as omeletes, o queijo branco e os molhos. A cebolinha ajuda também na decoração de pratos. A cebolinha faz parte das ervas finas junto com salsa e estragão.
Antioxidante e digestiva.
Uso:
 pratos salgados.

Coentro
O coentro é uma das ervas mais usadas no nordeste brasileiro. Possui um perfume incomparável, refrescante e de sabor marcante. Combina muito bem com peixe, frutos do mar, frango e legumes. Suas sementes são usadas para temperar marinadas.
Antioxidante, digestivo, auxiliar no tratamento da ansiedade, moderador de apetite.
Uso:
 peixes, frutos do mar, molhos, sopas, carnes, aves, pães.

Tomilho
Muito apreciado nas cozinhas européias, o tomilho é um elemento importante do Bouquet Garni. O seu perfume lembra a "Provence", região da França onde é muito encontrado. Combina muito bem com sopas, molhos de tomate, legumes em geral, carnes vermelhas e terrine.
Digestivo, desinfetante, anti-séptico; é expectorante, limpa as vias respiratórias e o intestino.
Uso:
sopas, aves, peixes, carnes, saladas, molhos, preparações a base de tomate.

Dill
Com o sabor voltado para o anis, ele combina muito bem com peixes em geral, omeletes, batatas, saladas verdes e creme de leite fresco. Suas sementes são usadas para temperar vinagres, marinadas e pepinos em conserva.

Erva Doce
As folhas da Erva Doce combinam muito bem com peixes grelhados ou cozidos em papelote. Este tempero fica delicioso servido com grande variedade de carnes como frango, vitela e outras. O seu aroma doce, como o anis, tempera muito bem saladas, molhos e o creme fresco.
Combate tontura, náuseas, infecções intestinais e estomacais.
Uso:
 A base da haste é usada como legume. As folhas podem ser servidas em saladas ou guarnecendo outras preparações.

Manjerona
Considerada indispensável na cozinha mediterrânea, a manjerona combina com carnes, tomates, batata e arroz. Muito parecida com o orégano, a manjerona tem um aroma mais fino do que o seu concorrente, associando-se mais facilmente a outras ervas.

Menta
A menta é muito usada na Europa para temperar o cordeiro, ervilha e batatas. Em outras regiões é usada em saladas, em sorbet, em chás ou simplesmente misturado com queijo de cabra e pepino, como fazem na Grécia.

Oregãos
Indispensável no preparo de pizzas, o orégano é o companheiro perfeito do tomate, do pimentão, da berinjela, da abobrinha e das massas. Também combina muito bem com carnes brancas, como a vitela e o peito de frango.
Digestivo, antioxidante, antibacteriano, antibiótico, analgésico, sedativo; auxiliar no tratamento de gripes, resfriados e cólicas menstruais.
Uso:
molhos italianos, de tomate, ensopados, massas, sopas e espetinhos (de carneiro e porco).

Salsa
Conhecida como salsinha, a salsa além de ser decorativa acrescenta cor e sabor às omeletes, saladas, molhos, purês de batatas, patês e sopas. São encontradas duas variedades da salsa. A salsa crespa, mais decorativa e em forma de buquê, e, a mais comum, a lisa, que é mais aromática e suporta melhor o cozimento.
Favorece o equilíbrio hormonal; é fonte rica em betacaroteno (pré vitamina A) e Vitaminas do Complexo B; alivia os sintomas da bronquite, asma, cólicas menstruais e cistite; é auxiliar no tratamento de cálculos renais e cólicas.
Uso:
 molhos, patês, saladas, legumes, peixes, omeletes, sopas e guisados.

Alecrim
É certamente uma das ervas mais perfumadas, seu aroma se associa muito bem com cordeiro, porco, frango, vitela e fígado. Quando usado fresco, pode servir de decoração.

Sálvia
A Sálvia serve para perfumar as carnes, principalmente a carne de porco, coelho e vitela. Seu sabor, ligeiramente amargo, combina com legumes secos, queijos e linguiças. Vai muito bem com carnes grelhadas e molhos.
Digestiva, antioxidante; auxiliar no tratamento de problemas de fígado, suor excessivo, ansiedade, depressão e sintomas da menopausa.
Uso:
carne de boi e porco, peixes firmes, ovos, queijos e saladas.

Estragão
Usado no preparo de molhos, pratos com ovos, frango, saladas e sopas. O estragão tem um gosto picante que ajuda a realçar alimentos sem muito sabor. Muito usado no preparo de vinagres de vinhos brancos.
Estimulante de apetite; alivia reumatismo e artrite, regulariza a menstruação, diurético.
Uso:
saladas, sopas, assados de forno, peixes, carnes, aves e molhos.

Cravo
Tem sabor doce e pungente, quase quente. Recomendado para arroz doce, pão de mel, pudins, compotas de frutas e pratos asiáticos, especialmente indianos.

Cardamomo
Perfumado e de sabor refrescante, Antioxidante, estimulante e digestivo.
Uso:
 pode ser usado no preparo de pães, pratos com frutas, batatas e batata-doce, pratos indianos, tortas e bolos escandinavos, carne de carneiro e porco, fígado, peixes e sopas, arroz, bolachas, licores, café, conservas de arenque e saladas de frutas.

Açafrão
Antioxidante, antiinflamatório, é auxiliar no tratamento da prisão de ventre.
Uso: arroz, sopas, saladas, carnes, pães.

Alcarávia
Digestivo, estimulante.
Uso: pães, batatas, cogumelos, pato, ganso, sopas, recheios e vegetais.

Aipo ou Salsão
Digestivo, indicado para flatulência (gases), diurético.
Uso: sopas, minestrone e salpicão.

Alecrim
Digestivo, antioxidante, estimulante, ativador da circulação sangüínea, antidepressivo e anti-séptico.
Uso: carnes e massas

Alho
Antioxidante e digestivo; melhora a circulação sanguínea e purifica o sangue.
Uso: carnes, aves, molhos em geral e refogados.

Baunilha
Estimulante, afrodisíaca e digestiva.
Uso: perfumar bolos, doces, cremes, mingaus, bebidas e licores.

Canela
Digestiva e antioxidante; ajuda a prevenir osteoporose, a controlar a pressão sanguínea e a aliviar sintomas da menopausa.
Uso: compotas, infusões, marinados, picles e ensopados (em casca) e bolos, pães, biscoitos, mingaus e doces (em pó).

Cominho
Diurético, auxiliar no tratamento de gases.
Uso: molhos, cremes, peixes, carnes, assados, legumes, ovos, sopas e pães. É essencial no curry.

Cravo-da-índia
Ajuda a aliviar sintomas da menopausa, a proteger contra aterosclerose e diminuir os níveis de colesterol.
Uso: doces, pães, marinados, assados de porco, molhos e chutney.

Curry
É feito com até 65 tipos de especiarias diferentes. Estimulante e digestivo.
Uso: culinária indiana, arroz.

Gengibre
Antioxidante; ajuda a tratar enjôos, combater infecções, prevenir doenças cardiovasculares; é auxiliar no emagrecimento.
Uso: cru como acompanhamento, picles, molhos, doces, bolos, pães, saladas e carnes de porco.

Hortelã
Estimulante, digestiva. No Recife, o pó da folha é usado para combater parasitas intestinais (ameba e giárdia) em crianças.
Uso: chás, sucos, saladas, molhos para carnes e massas, pratos da cozinha do médio oriente.

Mostarda
Antioxidante.
Uso: conservas, pães, assados, picles e marinados (em grão) e carne de porco, embutidos, peixes e maionese (em pó ou pasta).

Noz moscada
Afrodisíaca, é usada para problemas hepáticos.
Uso: doces, molhos e massas. Deve ser ralada somente na hora do uso e necessita de pequena quantidade para dar seu aroma.

Páprica
Estimulantes e digestivas.
Uso: pode ser usada no lugar da pimenta seca.

Papoula
Digestiva.
Uso: bolos, pães, tortas, doces e molhos.

Pimentas
Antioxidantes; purifica o sangue, auxilia na prevenção de doenças do coração, no tratamento da obesidade, nas dores reumáticas (compressas locais).
Uso: pratos salgados



 

Ramos de cheiros (bouquets garnis)



Para carne de vaca:

- Louro, salsa, tomilho e 1 pedaço de folha verde de alho francês.
- Orégãos, louro, alho e 1 tira de casca de laranja.
- Tomilho, segurelha, mangerona e um pouco de hissopo.

Para carne de porco:

- Salva, aipo, salsa e tomilho.
- Levistico, alecrim e segurelha.
- Tomilho-laranja, estragão e louro.

Para carne de borrego:

- Alecrim, alho, orégãos ou mangerona e tomilho.
- Alfazema, segurelha e murta.
- Tomilho-limão, hortelã e salsa.

Para criação:

- Salsa, louro, estragão e erva limeira.
- Mangerona, alecrim e segurelha.
- Tomilho-limão, Levistico , salsa e 1 pedaço de folha verde de alho francês.

Para caça:

- Salsa, bagas de zimbro, tomilho e louro.
- Erva cidreira, mangerona, hortelã e aipo.
- Alecrim, murta , e 1 tira de casca de laranja.

Para peixe:

- Salsa, estragão, tomilho e 1 tira de casca de limão.
- Funcho, louro e tomilho-limão.
- Endro, salsa, cebolinho e erva cidreira.

Para legumes:

- Orégãos, tomilho, salsa e salva.
- Aipo, segurelha, estragão e salsa.
- Louro, Levistico, alecrim e mangerona.


Ervas finas:

Mistura clássica da cozinha francesa, as ervas finas são uma mistura de ervas de Verão delicadamente perfumadas.

Em partes iguais:
- Cerófilo, cebolinho, salsa e estragão em ½ da porporção das anteriores.
Picadas finamente constituem excelente tempero para omeletas e outros pratos de ovos, para molhos cremosos e para saladas de folhas tenras.

Salsada (perdillade):

Pique finamente e em conjunto:
- 1 dente de alho e um raminho de salsa de folha lisa, adicione ao prato uns minutos antes de servir.
As salsadas são uma cobertura refrescante para pratos de criação, peixe e legumes.
Podem ser adicionadas a pão ralado para as mais diversas utilizações.


Gremolata:

Prepare um salsada e inclua a raspa de ½ limão.
È perfeito em peixe grelhado ou assado no forno, em sopas de lentilhas ou feijão e em saladas.
A gremolata também se pode usar em guisados.

Ervas da Provença:

Esta é por tradição uma mistura variável de ervas secas, mas não há razão para não se utilizarem ervas frescas quando as houver.
Em baixo, umas das versões, mas as sementes de funcho, a salva, o mangericão o louro e o hissopo também se utilizam.

  • 3 c sopa de tomilho
  • 2 c sopa de mangerona
  • 1 c chá de alecrim
  • 1 c sopa de segurelha
  • 1 c chá de flores de alfazema

Moa ou triture as ervas e guarde em frasco hermético.


Ervas de Inverno:

Partes iguais de:
Tomilho seco, orégãos secos e segurelha de Inverno.
Proceda como acima.


Farcellets:

Farcellet é a palavra catalã para pequeno molho ou raminho.

Segurelha, orégãos, tomilho e louro.
Envolva os caules das ervas com a folha de louro, e ate.
Tempera: pratos de carne, criação e legumes de cozedura lenta.
Retire antes de servir.


Pimenta de ervas:
  • 1 c sopa de alecrim seco
  • 1 c sopa de segurelha de Inverno seca
  • 1 c sopa de tomilho seco
  • 1 c sopa de mangerona seca
  • 1 c sopa de pimenta preta
  • 1 c sopa de macis (mace)*

Moa as especiarias e reserve.
Moa ou esmague as ervas, misture com as especiarias.
(Se achar necessário, passe pela peneira).
Guarde em frasco hermético.
Vai bem com: legumes de raiz, recheios de frango e sopas de Inverno.
Pode ser combinado com alho e casca de laranja.
* Macis: especiaria; membrana laranja-avermelhada que cobre a casca da noz moscada.




Pasta de alho e ervas:
  • 4 dentes de alho
  • sal
  • 2 c chá de pimenta em grão esmagada grosseiramente
  • 1 ou 2 c sopa de azeite
  • 4 c sopa de ervas picadas, escolha entre:
  • mangericão
  • mangerona
  • salsa
  • alecrim
  • salva
  • estragão
  • tomilho

Esmague o alho no almofariz com um pouco de sal até ficar em pasta.
Junte os outros ingredientes e misture bem.
Use para: barrar carnes para grelhar
Pode adicionar sumo e/ou sumo de limão.




Notas:


Use compressas de gaze, (das que se vendem em farmácias), e use para fazer os bouquet garnis, ou qualquer combinação de ervas e/ou especiarias que necessitem ser retiradas da comida antes de servir.
Esta publicação, será sujeita a actualizações sempre que mais alguma mistura mereça relevância depois de testada, e ficará sempre disponível na faixa lateral, na rubrica: dicas e truques.
Pique as ervas frescas finamente, e guarde-as em couvetes no congelador.



1-Salsa
 2-Tomilho                                           

  3-Coentros
 4-Eruca
 5-Salva
 6-Folhas de louro
 7-Alecrim
 8-Verbena
 9-Cebolinho
10-Salsa frisada
11-Estragão
12-Manjerona
13-Cebolinho picado
14-Ramo de cheiros
15-Hortelã
16-Manjericão
17-Endro
18-Cerefólio
19-Orégãos
20-Azedas

    
   Ervas aromáticas:



As ervas aromáticas transformam positivamente os alimentos, e algumas combinações parecem ter nascido para ser mesmo utilizadas: manjericão com tomate, estragão com frango, o tomilho e o alecrim com borrego, e os orégãos com queijo e ovos.
Todavia, as combinações não deverão ser obrigatórias; o que é excitante na cozinha é o facto de haver sempre um grande âmbito para novas experiências e para a possibilidade de novas e bem sucedidas misturas de sabores.
As ervas aromáticas deverão ser utilizadas frescas, sempre que possível, sendo os orégãos a única excepção, visto que, por qualquer motivo, têm um aroma ainda melhor depois de secos.
A maior parte das ervas pode ser facilmente cultivada.
O tomilho pode ser tão bom fresco como seco, desde que tenha sido seco há pouco tempo.
Sendo actualmente tão fácil obter ervas frescas durante todo o ano, é curioso lembrarmo-nos de que, ainda há pouco tempo, só se conseguiam comprar pequenas embalagens com uma curta variedade de ervas secas. De qualquer forma, muitas das ervas tenras, como o manjericão e a salsa, perdem por completo as suas características quando secas; se tiver grande abundância delas e as quiser conservar, poderá congelar pequenas quantidades em cubos de gelo ou, melhor ainda, conservá-las em azeite, dentro de boiões bem vedados. Assim, depois de ter usado as ervas, o azeite aromatizado poderá ser utilizado para temperar saladas.
Nada se compara à fragrância das ervas frescas em saladas ou espalhadas sobre legumes cozidos e as que têm folhas de belos formatos são excelentes para enfeitar um prato ou decorá-lo. Havendo ervas frescas em casa, não existe a preocupação de o prato ter um aspecto descolorido: desde que o gosto-base da comida seja bom, pode-se melhorar rapidamente o aspecto do prato com algumas ervas, Mesmo os melhores estufados, guisados ou sopas tornam-se mais apetitosos se se espalharem sobre eles ervas picadas, no último momento; são elas também que tornam diferentes os caldos e os molhos.




Especiarias:

 



1 - Anis-estrelado
2 - Malaguetas picantes secas
3 - Malaguetas encarnadas e verdes
4 - Sementes de alcaravia
5 - Bagas de Zimbro
6 - Vagens de cardomomo
7 - Pimenta-de-caiena
8 - Gengibre inteiro e em fatias
9 - Macis
10 - Açafrão
11 - Curcuma moída
12 -
Sementes de cominho


13 - Tamarindo
14 - Vagens de Baunilha
15 - Grãos secos de pimenta
16 - Casca de cássia
17 - Sementes de mostarda pretas/brancas
18 - Noz-moscada inteira e raspada
19 - Sementes de funcho
20 - Cravo-da-índia
21 - Sementes de endro
22 - Grãos secos de pimenta verde
23 - Paus de canela
      

    



As comidas bem temperadas não são necessariamente as que fazem arder a língua. As especiarias são uma complexa variedade de produtos aromáticos que fazem realçar aspectos desconhecidos dos ingredientes - e apenas algumas, como o piri-piri, as pimentas e o gengibre, picam na língua.
Uma especiaria parcimoniosamente adicionada a um prato suave pode torná-lo extremamente agradável. Também pode ser um tempero miraculoso no último momento para muitas coisas, tanto salgados como doces; por exemplo, noz-moscada ralada sobre os legumes, pudins de leite e pratos de queijo, ou sementes de alcaravia adicionadas a batatas doces e abóbora.
O cardamomo é maravilhoso, não só com carne, criação e peixe - uma vagem ou duas esmagadas transformam uma caldeirada -, mas também para adicionar um perfume mágico aos pudins de leite e aos gelados. Nos pratos salgados de todos os tipos, a mistura de cardamomo com alho e gengibre fresco é uma das combinações mais apetitosas que existem. A canela é outra especiaria que faz realçar tanto os pratos salgados como os doces; é especialmente boa no frango, utilizando-se paus inteiros para dar gosto a um estufado. A tosta de canela - pão frito em manteiga e barrado com canela em pó - é irresistível.
Tal como é melhor utilizar ervas frescas, também o sabor das especiarias é mais pronunciado quando as compramos inteiras e apenas as moemos quando necessitamos delas. Antes de usar especiarias (inteiras ou moídas) convém aquecê-las rapidamente numa frigideira seca, para realçar os aromas. Se puder tenha um moínho de café eléctrico que use só para moer especiarias, mas pode limpar o seu moínho de café e servir-se dele, ou utilizar um almofariz, embora isso seja mais difícil com as especiarias mais duras, como a canela, o cravinho-da-índia e o anis-estrelado. No Norte de África e no Médio Oriente, geralmente, põem uma vagem de cardamomo em infusão no café.
Poderá fazer experiências com diferentes especiarias, do mesmo modo que com as ervas, as pessoas ficam intrigadas com o gosto difícil de definir de uma determinada especiaria num certo prato. Também poderá fazer a sua própria mistura de especiarias, para usar nos pratos, como as donas de casa fazem na Índia. Um cuidadoso tempero da comida parece animar as pessoas, e as comidas condimentadas, numa festa, são quase sempre mais notadas e mais recordadas.
É geralmente difícil saber que bebida servir com comida muito condimentada; a cerveja combina geralmente bem e, se quiser festejar-se algum acontecimento, poderá servir champanhe ou qualquer outro vinho espumoso.










As Ervas Aromáticas ajudam a aromatizar os alimentos e a diminuir o consumo do sal, mas seus benefícios são bem maiores e vastos. 

Pequenas, poderosas, verdes e amigas da saúde, as ervas aromáticas são mais do que temperos ou substitutos do sal. 

São aliadas ao bom funcionamento do organismo e também podem servir como autênticos escudos de proteção contra algumas das mais variadas doenças.

Alecrim – A sua ação antisséptica e anti-inflamatória ajuda a reduzir a pressão arterial e a preservar o fígado. De aroma suave e comum em chás, o alecrim ajuda ainda a combater a depressão e a reduzir os sintomas pré-menstruais.

Manjericão – Presente nas mais tradicionais pastas italianas, o manjericão tem um alto poder anti-inflamatório e antioxidante.

Salsa – Esta é uma das ervas aromáticas mais comuns na culinária portuguesa e talvez das mais poderosas também. Além de ajudar na menstruação, diz a publicação, a salsa é também boa para cuidar de problemas urinários e renais. E ainda ajuda a branquear os dentes.

Tomilho – Anti-envelhecimento e aliado no combate a problemas respiratórios.

Hortelã – Seja em refeições salgadas ou doces, a hortelã possui uma ação analgésica, estimulante, aromatizante, antioxidante e ajuda ainda a aliviar problemas digestivos.

Orégano – Esta é a erva que mais e melhor combate as bactérias inimigas do organismo. E ainda uma das mais versáteis para uso culinário.

Camomila – Calmante, antidiarreica, analgésica, antialérgica, anti-inflamatória, sedativa e diurética, diz a Exame.

Erva-príncipe – Esta é uma das mais poderosas a nível antibacteriano e antidepressivo.

Chagas – Reforça o sistema imunológico e possui ainda poderes digestivos e antibacterianos.

Sálvia – Diz a Exame que esta erva é digestiva, diurética, hipoglicémica, antisséptica e antioxidante.

 

Alecrim Utilizado geralmente seco no tempero de coelho manso e marinadas de caça.
Cebolinho As folhas tubulares frescas são utilizadas para aromatizar molhos, batatas, omoletas e queijos frescos.
Cerefólio As folhas novas, de aroma anisado, utilizam-se em sopas, molhos e como guarnição.
Coentros As suas folhas servem para aromatizar sopas, guisados de favas ou ervilhas e salada de alface.
Erva-doce Muito utilizada na doçaria regional, as suas sementes são indispensáveis nas castanhas cozidas.
Estragão Aplica-se sobretudo no vinagre de estragão.
Funcho Aplica-se em molhos e guisados.
Hortelã As folhas frescas aromatizam sopas e pratos de carne e peixe. Serve de ornamento de bebidas e de certos doces com frutos.
Louro As suas folhas, relativamente grandes, fazem parte do ramo de cheiros e são utilizadas no tempero de molhos, guisados, pâtés e todas as marinadas.
Manjericão (basílica) As folhas devem ser utilizadas enquanto novas. Podem ser usadas em sopas e em pratos à base de tomate.
Manjerona Da família do orégão, embora de sabor mais suave, pode substituí-lo. É a erva dos recheios das empadas e o condimento preferido da cozinha beirã.
Orégãos Muito comuns na cozinha algarvia e alentejana. São utilizados em molhos, sopas e pratos de carne e, principalmente, nas saladas de tomate e pepinos e no curtimento da azeitona.
Poejo Muito utilizado na culinária alentejana, na sopa de poejo com queijo fresco e na célebre açorda, onde substitui os coentros. Utiliza-se fresco.
Salsa É a mais utilizada das ervas aromáticas na cozinha portuguesa.
Salva As folhas, verdes ou secas, são um ótimo condimento para pratos de carne, estufados ou guisados, obrigatoriamente incluídos em pratos da cozinha italiana.
Segurelha É utilizada em pratos de carne ou peixe e em saladas. É indispensável nas sopas de feijão-verde. Use-se fresca.
Tomilho O seu sabor picante e amargo adapta-se a molhos e a pratos de carne e legumes.

Ervas aromaticas secas como fazer:

Desidratar ervas aromáticas frescas no microondas é muito simples. Tão fácil quanto comprá-las na feira ou colhê-las em sua horta. De todas as plantas, as ervas aromáticas são as mais fáceis para o cultivo em vasos. Precisam apenas de luz, fertilizante e umidade, em vasos de barro, com uma camada de pedras no fundo, uma boa mistura de terra e pouca água!
Forre a base do forno com papel absorvente e sobre ele espalhe um punhado de ervas, formando uma só camada. Cubra as ervas com outro pedaço de papel absorvente; coloque no forno um copo com água. Deixe no forno a 100% (alta, forte) até as ervas perderem a cor viva e esmigalharem-se facilmente ao toque. O tempo vai depender do tipo e quantidade das ervas usadas. Deixe as ervas esfriarem bem antes de esmigalhá-las. Acondicione-as em potes hermeticamente fechados e guarde em lugar escuro e fresco. Elas se conservarão por muito tempo.






Alecrim - originário do mediterrâneo, o alecrim é símbolo da fertilidade e, na Idade Média, era usado para purificar o quarto de doentes. Como o seu odor é estimulante, os estudantes gregos usavam ramos nos cabelos para alertar a memória durante os exames.

Orégãos - foi o seu sabor característico que fez Hipócrates, na Grécia Antiga, dar à erva o nome Origanum (erva amarga). Os gregos, por sinal, usavam os orégãos muito mais em receitas de óleos pós-banho do que na culinária.

Salva – possui uma grande capacidade terapêutica, daí o nome recebido (salvare, que significa salvar) e o ditado: “Quem pode adoecer quando possui um pé de salva plantado na horta?”.

Tomilho - na Grécia antiga, o tomilho era usado para estimular os guerreiros, dando-lhes coragem antes das batalhas. No antigo Egito, a erva era usada no processo de embalsamamento dos corpos.

Coentros – originário da África, o coentro ganhou esse nome devido ao aroma que os frutos verdes apresentam, muito parecido com o dos percevejos – ou koriandrum, em grego. Conta-se que as “bruxas” da Idade Média usavam esta erva na fabricação de poções mágicas afrodisíacas.

Manjericão - na Índia, de onde é originário, o manjericão, ou erva rainha, é uma planta quase sagrada. Os gregos a usavam em rituais religiosos, e antes de colhê-la, a mão direita tinha de ser purificada com folhas de carvalho, e a esquerda, lavada em três fontes diferentes.








1 comentário:

  1. Parabéns Uma das matérias sobre temperos e condimentos mais completa que já vi.

    ResponderEliminar

Deixe o seu comentário.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...