Historial do Chocolate, tipos de Chocolate

O famoso botânico sueco Lineu, que viveu há cerca de 250 anos, devotou toda a sua vida ao mundo das plantas. Ele introduziu a ordem sistemática de classificar as plantas da terra (as conhecidas naquela época).
Chocolate


Em 1729 ele escreveu o primeiro dos seus 180 livros sobre as plantas. No ano seguinte começou suas palestras sobre as maravilhas das plantas e flores, e deu-lhe nomes latinos. Estas denominações permaneceram como nomes científicos para as diversas espécies de árvores e outras plantas.
Quando foi nomear a árvore do cacau que nos dá os grãos com o qual é feito o chocolate, Lineu chamou-a de "Theo-broma" – que em latim significa "Alimento Divino". Parece que Lineu foi inspirado pelas palavras do Tehilim – o Livro dos Salmos – que descrevem o maná com o qual D'us alimentou os Filhos de Israel quando eles vagaram 40 anos no deserto, até chegarem à Terra de Israel.
"O Todo Poderoso ordenou as nuvens do Alto e abriu os Portões do Céu. Enviou maná para eles comerem… o alimento dos anjos o povo comeu" (Tehilim 78:23-25).
Segundo cientistas, o lar original do cacau ficava nas florestas da região do Amazonas no Brasil, ou na região do Orinoco, na Venezuela. Ambos são rios famosos na América do Sul. Colombo, que descobriu a América, teve a oportunidade, durante sua 4ª viagem à América, de conhecer os grãos de cacau, mas não lhes deu atenção.
O crédito por descobrir o cacaueiro para o mundo europeu cabe a outro viajante espanhol, o conquistador do México – Hernando Cortez. Ele chegou ao México em 1519, supostamente com intenções pacíficas de desenvolver o comércio, e foi recebido com honras pelo Imperador Montezuma dos astecas (os índios locais). O Imperador era grande apreciador de uma bebida especial, que ele bebia em copos de ouro, sempre novos. A cada vez que esvaziava um copo, ele o jogava fora, para mostrar que valorizava mais a bebida que o ouro.
O Imperador ofereceu esta bebida ao visitante espanhol, que mais tarde relatou que tinha um sabor forte, agridoce, que ele apreciou muito.
Hernando Cortez mais tarde aprisionou o Imperador e, gradualmente, conquistou o México para o Rei da Espanha. Quando voltou à Espanha em 1528, Cortez levou grãos de cacau para o Rei, apresentando-o no maravilhoso chocolate líquido.
Cortez, que amava o dinheiro mais que a qualquer outra coisa, ficou muito impressionado pelo fato de os grãos de cacau serem usados como dinheiro pelos astecas. Um escravo podia ser comprado por cem grãos de cacau. Vendo que este "dinheiro" literalmente crescia em árvores, ele decidiu plantar esta árvore de dinheiro em diversas ilhas tropicais que tinha capturado: Trinidad e Haiti na América Central, e a ilha Fernando-Po, na costa da África Ocidental. O cacau foi transplantado dessa ilha para o continente africano – em quatro países (Costa do marfim, Gana, Nigéria e Camarões) que atualmente, são os líderes no comércio mundial do cacau.
A Espanha foi o primeiro país na Europa onde o chocolate quente tornou-se uma bebida favorita – primeiro nos círculos aristocratas, depois de forma geral.
Durante cerca de 100 anos a Espanha teve o monopólio do comércio de grãos de cacau, graças às plantações de Cortez.
Nesse meio tempo, porém, esta deliciosa bebida tinha começado a ficar conhecida em outros países da Europa Ocidental. Eles começaram a plantar cacaueiros em suas próprias colônias tropicais onde o clima era favorável.
Os ingleses tinham suas plantações nas Índias Ocidentais, após terem capturados algumas dessas ilhas dos espanhóis, como Trinidad, Jamaica, etc.
Em 1700 as "Casas de Chocolate" começaram a competir com as "Casas de Café" em Londres. Uma xícara de chocolate quente não era mais um luxo somente para os ricos. A revolução Industrial e a invenção de diversas máquinas tornaram possível a produção em massa, além de tornar os produtos mais baratos, e o mesmo aconteceu com a indústria do chocolate.
A produção de chocolate foi então levada da Inglaterra para o "Novo Mundo" onde em 1765, foi fundada a primeira fábrica de chocolate em Massachusets, então colônia inglesa, que ainda hoje é chamada de Nova Inglaterra. Desde então, o chocolate quente se tornou uma bebida preferida também na América do Norte.
Os holandeses plantaram cacau nas suas colônias no Extremo Oriente, nas ilhas das Índias Orientais (atual Indonésia). Com o tempo, Amsterdã se tornou o centro de importação de cacau na Europa. Atualmente, cerca de 15% da produção mundial de cacau passa por Amsterdã. A metade é para a sua própria fabricação de chocolate, e o restante vai para os outros países da Europa.
Em 1828, um fabricante holandês de chocolate, Conrad van Houtten, descobriu um método de extrair a gordura dos grãos de cacau moídos, e transformá-la em manteiga de cacau. Então ele pressionou o líquido até que pedaços duros de cacau permaneciam inteiros. Isso ele moeu e transformou num pó, que se dissolvia facilmente na água quente, criando uma bebida boa, suave e saborosa, que podia ser tornada mais doce com a adição de açúcar. No entanto, comer chocolate em pedaços só se tornou popular 20 anos depois em 1847, quando uma firma inglesa, Fry and Sons (que mais tarde se associou à famosa Cadbury) começou a produzir chocolate doce em barras para comer (e não apenas chocolate em pó para beber), misturando o cacau moído com manteiga de cacau e açúcar.
Em 1875, um fabricante suíço de chocolate criou uma barra de chocolate ao leite, usando leite fresco. Desde então numerosas fábricas de chocolate em diferentes países desenvolveram diversos tipos de chocolate – doce, meio-doce, amargo, com leite ou sem leite, com ou sem nozes, licor e sem licor, e inumeráveis tipos de chocolates para satisfazer a todos os paladares.
Numerosos chocolates casher também são fabricados – chocolate milchik (ao leite) "Chalav Yisrael" e parve, para que crianças e adultos judeus possam apreciar um pedaço de chocolate de vez em quando, não esquecendo de fazer uma berachá (bênção), agradecendo a Hashem "por cuja palavra tudo veio a existir". E certamente, a bênção – que é "alimento" para a alma – é recitada com a mesma doçura e alegria que a pessoa sente ao apreciar o maravilhoso sabor do chocolate – que afinal, é somente alimento para o corpo.
Fonte: www.chabad.org.br
História do Chocolate
Chocolate


Os primeiros vestígios da descoberta do chocolate são de 1.500 a.C. e vêm da civilização Olmeca que habitava o México na época. O cacau foi aproveitado posteriormente pelos Maias e Aztecas em forma de bebida, considerada sagrada. Nas cerimônias religiosas, o cacau torrado era servido com especiarias e mel.
Os conquistadores espanhóis introduziram a delícia na Europa, onde era considerado um alimento especial por seu valor nutricional e energético. Inicialmente somente mulheres, sarcedotes e nobres o consumiam em cultos da Igreja Católica, depois o cacau foi se popularizando e se diversificando com a adição de outros ingredientes. Os suíços tiveram a idéia de misturar o cacau ao leite, dando origem ao chocolate como nós conhecemos hoje.
Típico de clima tropical, o cacaueiro encontra no Brasil um ambiente ideal para o seu cultivo, principalmente nas regiões do Espírito Santo e o sul da Bahia, Ilhéus. Hoje, nosso país é o maior produtor da América Latina e um dos maiores do mundo ao lado da Costa do Marfim, de Gana e do Equador.


Chocolade & Café

Como todos nos sabemos o chocolate é de mania mundial, isso é devido ao seu delicioso sabor, porem o que é mais interessante são os diversos tipos de chocolates que existem sendo assim é muito importante que nos saibamos e conhecemos ao menos alguns para que na hora de comprar não fiquemos tão desprevenidos.
Os tipos de chocolates mais conhecidos são: chocolate ao leite, chocolate branco, chocolate amargo e o chocolate meio amargo, sendo assim é importante que nos saibamos o teor de caca que cada um contém também os valores calóricos que uma porção exacta.
Amargo – composto por 85% de cacau, possui 580 caloria uma porção de 100 gramas.

Ao Leite – possui de 20% a 39 % de cacau e 530 calorias a cada 100 gramas.

Meio Amargo – tem uma quantidade de 55% de cacau e contem 500 calorias a cada 100 gramas.

Branco – não possui cacau em sua composição e oferece 546 calorias por uma porção de 100 gramas.


 
Chocolate amargo – é o chocolate com maior concentração de cacau (geralmente acima de 70%) e com pouco açúcar. É o chocolate que mais oferece as propriedades benéficas do cacau.

Chocolate meio amargo - é um chocolate com uma menor concentração de cacau (geralmente por volta de 50%). Também tem pouco açúcar e seu sabor é um pouco menos acentuado.

Chocolate ao leite – para fazer o chocolate ao leite, parte da massa de cacau é substituída por leite em pó (geralmente o chocolate ao leite tem um teor de cacau entre 30 e 40%). O resultado é um chocolate com textura mais cremosa e sabor mais adocicado.

Chocolate branco - esse tipo de chocolate não contém massa de cacau, ele é feito com manteiga de cacau, açúcar e leite. É o mais doce e de textura bem cremosa.

Chocolate em pó – é feito com a amêndoa de cacau moída, sem a manteiga de cacau. É muito utilizado em receitas, inclusive de brigadeiro e também pode apresentar diferentes concentrações de cacau.

Achocolatado - como o próprio nome já diz, achocolatado não é chocolate . É uma mistura de chocolate em pó, leite e muito açúcar, geralmente utilizada para saborear o leite.

Chocolate para cobertura - é um chocolate com alta concentração de manteiga de cacau, que pode ser meio amargo, ao leite ou branco. Como derrete com facilidade e tem mais brilho, é muito usado no acabamento de bolos e doces.

Chocolate diet – no chocolate diet estão presentes a massa e a manteiga de cacau, porém o açúcar é substituído por outras substâncias como sorbitol, sacarina e vanilina.

 http://portaldochocolate.webnode.com/tipos-de-chocolate/


Chocolate

O chocolate é um alimento muito nutritivo. Contém proteínas, gorduras, cálcio, magnésio, ferro, zinco, caroteno, vitaminas E, B1, B2, B3, B6, B12 e C. Estudos recentes sugerem a possibilidade de o consumo moderado de chocolate preto e amargo trazer benefícios para a saúde humana, nomeadamente devido à presença de ácido oléico. Este ácido (também presente no azeite de oliva) é uma gordura monoinsaturada que protege as artérias, contribuindo para o aumento do bom colesterol (HDL) e para a redução do mau colesterol (LDL).Devido à presença de uma substância chamada teobromina (componente do cacau), o chocolate pode provocar uma sensação de relaxamento mas também uma ligeira excitação. Este é ainda responsável pelo aumento da produção de endorfina e dopamina (são neurotransmissores) promovendo um aumento da alegria, da boa disposição e de outros sentimentos positivos. Estimula ainda as regiões cerebrais relacionadas com o prazer devido à produção da hormona (feniletilamina) que é precursora da serotonina. Também conhecida como a "hormona da paixão".

 http://areceitaestanomeublog.blogspot.pt/



Como derreter chocolate no microondas e em banho-maria e como trabalhar com chocolate no calo.

como derreter chocolate no microondas e em banho-maria

  Como derreter chocolates no microondas e em banho maria 

 2- Qual o melhor chocolate para derreter  e
 3- Como temperar o chocolate.

Em um clima tropical como o nosso, em que no verão, os termômetros quebram facilmente a barreira dos 40ºC trabalhar com chocolate não é nada fácil, e você faz a pergunta clássica: "Como trabalhar com chocolate no calor?"
Alguns truques e dicas podem ajudar, e muito, na árdua - e melecada - tarefa de trabalhar com chocolates no Brasil.
Todas as dicas vieram de cursos de chocolate que fiz e de minha experiência pessoal quando fiz ovos de Páscoa.
Antes de mais nada, separe uma bacia com água gelada e umas pedras de gelo. Para molhar as mãos e resfriá-las sempre que necessário. Deixe também, um pano para enxugar a mão. Lembre-se:
As mãos precisam estar frias, não molhadas. Se as mãos estiverem quentes, suas impressões digitais ficarão marcadas nas barras e bombons de chocolate e o brilho também se perderá.

A escolha do tipo de chocolate para derreter:


Antes de passar às dicas é importante saber que o chocolate amargo é o mais fácil de trabalhar, seguido pelo meio amargo, ao leite e por fim o chocolate branco, que NÃO é chocolate e sim a manteiga de cacau.

 Como derreter os chocolates.

À moda antiga em banho-maria...

Derretendo chocolates em banho-maria:

Pique os chocolates com faca grande e coloque em uma travessa que deverá estar dentro de outra com água quente, no fogão, mexa até que o chocolate derreta totalmente. Não deixe que a água entre em contato com o chocolate.

À Moda moderna...

... Pós invenção do microondas

- Derretendo o chocolate no microondas:

Pique os chocolates com faca grande e coloque no microondas por 30 segundos, mexa e se precisar coloque por mais 30 segundos. Se precisar voltar ao forno, coloque só 20 segundos.

A dica a seguir serve para os dois métodos (microondas e banho-maria):

Cuidado, se o chocolate empelotar é porque 'queimou' e não há como recuperar. O chocolate derretido deve ficar brilhante (vide foto abaixo), não deixe passar desse ponto. Mexa bem para derreter totalmente.
Feito isso utilize em suas receitas de trufas, bombons, chocolates caseiros e ovos de Páscoa.

  Como temperar o chocolate:

Temperar o chocolate não é pôr tempero nele e sim trabalhar com ele em pedra de mármore ou granito. Esse tipo de superfície é ideal, pois além de ser dura é fria. Faça assim: Após derreter o chocolate da forma preferida acima, despeje-o no mármore previamente limpo com álcool. Com uma espátula vá mexendo o chocolate derretido pra lá e pra cá. Até atingir a temperatura ideal, 23º aproximadamente (morno no toque da parte de baixo do lábio inferior).


Mas por que temperar o chocolate?
Esse procedimento confere maior brilho ao chocolate e evita qualquer grão sem derreter. Contudo, ele não é absolutamente necessário para você trabalhar com chocolates.

http://oquecomerhoje.blogspot.nl/2011/03/como-derreter-chocolate-no-microondas-e.html






Foto: Chocolate faz bem para a saúde; confira 10 benefícios


O chocolate não é só uma delícia. O seu consumo moderado também oferece uma lista de benefícios. E quanto mais cacau na fórmula, melhor. Justamente no Dia do Cacau (26 de março) e às vésperas da Páscoa, confira abaixo os pontos positivos relacionados à iguaria, segundo estudos recentes.

1. Câncer de intestino
Pesquisadores da Universidade de Georgetown, nos Estados Unidos, divulgaram em 2008 que o chocolate pode ajudar a combater o câncer de intestino. Isso porque algumas moléculas presentes no cacau, chamadas de procianidinas, possuem propriedades antioxidantes, que serviriam para proteger as células das degenerações do tumor.

2. Bem-estar
A sensação de bem-estar causada pelo chocolate encontra respaldo na ação da endorfina e da dopamina, relacionadas ao relaxamento. Alguns cientistas afirmam que a delícia é capaz de aumentar a produção dessas substâncias.

3. Fluxo arterial
Estudos mostram que o consumo do chocolate amargo melhora o fluxo arterial e faz bem à saúde cardiovascular por diminuir a tendência de coagulação das plaquetas e de obstrução dos vasos sanguíneos. Ajuda a diminuir os níveis de LDL (colesterol ruim).

4. Saúde do coração
O chocolate tem efeitos benéficos para o coração. Cientistas da Universidade de Linkoping, na Suécia, descobriram que a versão amarga (rica em cacau) inibe uma enzima no organismo conhecida por elevar a pressão arterial. O resultado positivo é atribuído às catequinas e procianidinas, antioxidantes encontrados na iguaria.

5. Saúde cerebral
O chocolate amargo pode reduzir os danos cerebrais após um acidente vascular cerebral, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Os cientistas descobriram que um composto chamado epicatequina protege as células nervosas. Os testes foram realizados em ratos e a equipe espera que os efeitos possam ser aplicados em seres humanos.

6. Na gravidez
Chocolate durante gravidez pode ajudar a prevenir a pré-eclâmpsia (hipertensão). Uma pesquisa da Universidade Yale, nos Estados Unidos, sugere que mulheres que saboreiam a delícia ao menos cinco vezes por semana estão 40% menos propensas a desenvolver o problema do que aquelas que a consomem menos de uma vez. O composto teobromina, encontrado principalmente nas variedades amargas e meio-amargas, pode ser o responsável pelo benefício.

7. Ataques cardíacos
Pessoas que sobreviveram a ataques cardíacos e comem chocolate podem reduzir o risco de morrer por problemas do coração, segundo pesquisa realizada na Suécia. Testes mostraram que saborear o produto duas vezes por semana resultou em 66% menos chances de morrer de doença cardíaca e uma vez por semana reduziu o risco quase pela metade. Isso porque a delícia é rica em antioxidantes, que nos protege do envelhecimento causado pelos radicais livres.

8. Dores
Ingerir chocolate pode aliviar dores, de acordo com um estudo da Universidade de Chicago, nos Estados Unidos. A distração de comer ou beber por prazer atuaria como um analgésico natural. Os testes foram realizados em ratos, mas os pesquisadores acreditam que o mesmo efeito ocorra em pessoas.

9. Beleza
O chocolate é um aliado da beleza também. Está presente em banhos de ofurô, massagens, máscaras e outros cosméticos. Além do alto poder hidratante, o produto combate os radicais livres, evitando a oxidação das células.

10. Desgaste físico
Dois levantamentos realizados por cientistas da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, concluíram que leite com chocolate é a melhor bebida para se recuperar da atividade física. Os benefícios estariam na quantidade de carboidratos e proteínas da mistura.

Chocolate faz bem para a saúde; confira 10 benefícios:

O chocolate não é só uma delícia. O seu consumo moderado também oferece uma lista de benefícios. E quanto mais cacau na fórmula, melhor. Confira abaixo os pontos positivos relacionados à iguaria, segundo estudos recentes.
1. Câncer de intestino
Pesquisadores da Universidade de Georgetown, nos Estados Unidos, divulgaram em 2008 que o chocolate pode ajudar a combater o câncer de intestino. Isso porque algumas moléculas presentes no cacau, chamadas de procianidinas, possuem propriedades antioxidantes, que serviriam para proteger as células das degenerações do tumor.
2. Bem-estar
A sensação de bem-estar causada pelo chocolate encontra respaldo na ação da endorfina e da dopamina, relacionadas ao relaxamento. Alguns cientistas afirmam que a delícia é capaz de aumentar a produção dessas substâncias.
3. Fluxo arterial
Estudos mostram que o consumo do chocolate amargo melhora o fluxo arterial e faz bem à saúde cardiovascular por diminuir a tendência de coagulação das plaquetas e de obstrução dos vasos sanguíneos. Ajuda a diminuir os níveis de LDL (colesterol ruim).
4. Saúde do coração
O chocolate tem efeitos benéficos para o coração. Cientistas da Universidade de Linkoping, na Suécia, descobriram que a versão amarga (rica em cacau) inibe uma enzima no organismo conhecida por elevar a pressão arterial. O resultado positivo é atribuído às catequinas e procianidinas, antioxidantes encontrados na iguaria.
5. Saúde cerebral
O chocolate amargo pode reduzir os danos cerebrais após um acidente vascular cerebral, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Os cientistas descobriram que um composto chamado epicatequina protege as células nervosas. Os testes foram realizados em ratos e a equipe espera que os efeitos possam ser aplicados em seres humanos.
6. Na gravidez
Chocolate durante gravidez pode ajudar a prevenir a pré-eclâmpsia (hipertensão). Uma pesquisa da Universidade Yale, nos Estados Unidos, sugere que mulheres que saboreiam a delícia ao menos cinco vezes por semana estão 40% menos propensas a desenvolver o problema do que aquelas que a consomem menos de uma vez. O composto teobromina, encontrado principalmente nas variedades amargas e meio-amargas, pode ser o responsável pelo benefício.
7. Ataques cardíacos
Pessoas que sobreviveram a ataques cardíacos e comem chocolate podem reduzir o risco de morrer por problemas do coração, segundo pesquisa realizada na Suécia. Testes mostraram que saborear o produto duas vezes por semana resultou em 66% menos chances de morrer de doença cardíaca e uma vez por semana reduziu o risco quase pela metade. Isso porque a delícia é rica em antioxidantes, que nos protege do envelhecimento causado pelos radicais livres.
8. Dores
Ingerir chocolate pode aliviar dores, de acordo com um estudo da Universidade de Chicago, nos Estados Unidos. A distração de comer ou beber por prazer atuaria como um analgésico natural. Os testes foram realizados em ratos, mas os pesquisadores acreditam que o mesmo efeito ocorra em pessoas.
9. Beleza
O chocolate é um aliado da beleza também. Está presente em banhos de ofurô, massagens, máscaras e outros cosméticos. Além do alto poder hidratante, o produto combate os radicais livres, evitando a oxidação das células.
10. Desgaste físico
Dois levantamentos realizados por cientistas da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, concluíram que leite com chocolate é a melhor bebida para se recuperar da atividade física. Os benefícios estariam na quantidade de carboidratos e proteínas da mistura.




Curiosidades sobre Chocolate




O chocolate é um alimento feito com base na amêndoa fermentada e torrada do cacau.   

Sua origem remonta às civilizações pré-colombianas da América Central. A partir dos Descobrimentos, foi levado para a Europa, onde popularizou-se, especialmente a partir dos séculos XVII e XVIII. Contudo, em função das necessidades climáticas para o cultivo do cacau, não é possível o seu plantio na Europa e por isso as colónias americanas de clima tropical húmido continuaram a fornecer a matéria-prima. Atualmente os maiores produtores estão na África Ocidental.

A palavra chocolate provém do espanhol chocolate, que por sua vez foi originado a partir de línguas indígenas mesoamericanas. Os espanhóis construíram a palavra usando o termo Maia chocol juntado com o termo asteca atl, que significariam chocol (quente) com o atl (água).

Antigamente, o chocolate não era comido, apenas bebido. E somente os nobres tinham direito a esse deleite. Com o passar dos anos, o famoso chocolate com leite foi criado e, em seguida, as barras começaram a surgir. 

Atualmente, é encontrado em diferentes formas que vão desde o sólido, como o chocolate em pó, as barras e os bombons, e líquido como o achocolatado ou chocolate quente. Além de ser consumido puro, é também ingrediente de um grande número de alimentos como bolos (tortas, biscoitos, etc.), mousses, gelados e outros doces.
 
Para além de ser um alimento divinal também tem as suas razões para ser um alimento perfeito:
tem um sabor apreciado por todos
enorme variedade de formas, 
grande valor nutritivo e energético
rápido metabolismo (o organismo humano de qualquer idade e nas mais diversas situações de saúde, absorve facilmente o chocolate que, pouco tempo após a ingestão está transformado em energia);
ótima digestibilidade (a digestão do chocolate se faz facilmente, graças as gorduras que entram em sua composição);
alivia o stress e a depressão (devido á feniletilamina presente no chocolate sendo conhecida como a “molécula da felicidade e do prazer”);
previne o envelhecimento (a massa de cacau tem grande poder antioxidante, mais que qualquer fruta combatendo os efeitos da idade);
previne o cancro (os grãos do cacau possuem substâncias antioxidantes chamadas flavonoides que ajudam a fortalecer a saúde vascular e a prevenir alguns tipos de cancro, a maior parte desta substância benéfica está concentrada no chocolate amargo).
O chocolate é, sem dúvidas, o alimento melhor balanceado que existe, bem com uma equilibrada junção de cacau, leite e açúcar.
Mas para além disto tudo, ainda nos deixa felizes mas porquê?

O chocolate é, comprovadamente, uma poção do prazer: possui propriedades calmantes e estimula a produção de endorfina, a hormona responsável pela a elevação de autoestima e de bem-estar. Ele também aumenta a serotonina, substância que nos faz ficar felizes. E, para completar, o chocolate possui feniletilamina, a mesma hormona que produzimos quando estamos apaixonados. Pois é, nós literalmente nos apaixonamos por ele.


E ao contrário do que muitos pensam, não existe nenhuma pesquisa que tenha confirmado que o chocolate realmente causa acne. O que acontece é que todos os alimentos muito gordurosos deixam a nossa pele muito mais oleosa. Por isso, quando uma pessoa já possui tendência a desenvolver acne, ele realmente aparece após o consumo desse doce (ou de qualquer outro alimento com alto índice de gordura) e também em situações de stress e alterações hormonais.
Mas enquanto para nós é um alimento dos céus, para os animais não é bem assim, o chocolate pode ser mortal para os cães. Ele contêm um ingrediente chamado teobromina que pode ser tóxico para o sistema nervoso central e para os músculos cardíacos do cão.
Hoje em dia, temos diversos tipos de chocolate.  


Chocolate amargo: ele tem a maior concentração de massa de cacau (acima de 70%) e a menor quantidade de açúcar, além de não ser misturado com leite. Sua cor é bem escura e, como o nome já diz, seu sabor é amargo. É o tipo de chocolate que mais oferece os benefícios do cacau, e pesquisas descobriram que seu consumo pode até ajudar a emagrecer. 


Chocolate meio amargo: O chocolate meio amargo possui uma concentração de cacau menor que a do chocolate amargo (em torno de 50%), por isso seu gosto é mais suave, apesar de ainda ter um leve amargor. Também tem pouco açúcar e não leva leite. 
Chocolate de leite: A massa de cacau é misturada com leite em pó e a concentração de cacau abaixa para 30% ou 40%, enquanto a quantidade de açúcar aumenta. Essa mistura com o leite tira o sabor amargo do chocolate, conferindo um gosto mais adocicado e uma textura mais cremosa. 


Chocolate branco: esse chocolate não leva massa de cacau na sua confeção, e sim um outro produto extraído da semente - a manteiga de cacau. Ele também recebe açúcar e leite, sendo o mais doce e cremoso dos chocolate. 
Chocolate em pó: É a semente de cacau moída, geralmente usado para a confeção de bolos e doces. Também possui várias concentrações diferentes. 
Achocolatado: Ao contrário do que muita gente pensa, achocolatado não é chocolate em pó! Ele é uma mistura de chocolate em pó, leite e muito açúcar, usado apenas para dar sabor ao leite. 
Chocolate para cobertura: pode ter várias concentrações de cacau, mas possui sempre alta concentração de manteiga de cacau, tendo mais brilho e derretendo com facilidade. É mais usado para a cobertura de bolos e doces. 
Chocolate diet: é um chocolate comum, com massa de cacau, manteiga de cacau e leite. Sua novidade é que o açúcar é substituído por sorbitol, sacarina e vanilina. Muitas pessoas pensam que, por não ter açúcar, o chocolate diet contém menos calorias que os outros. O chocolate diet é altamente calórico. Sua única vantagem é que pessoas diabéticas podem comê-lo sem se preocuparem.
A partir desses chocolates, muitas misturas e inovações foram feitas, como por exemplo o chocolate aerado, onde o chocolate recebe gás carbónico e solidifica, cheio de bolhas, dando um aspeto macio à barra.



Quanto ao formato, o chocolate pode ser comercializado em barras, gotas, raspas e em outras versões mais peculiares, como na forma de ovos e línguas de gatos. 

Além disso pode apresentar os mais diversos ingredientes para recheios como amendoim, amêndoa, avelã, castanha-do-pará, nozes, castanha de caju, frutas secas, caramelo, biscoito, frutas cristalizadas, manteiga, nata, etc. 

Tempering machine
Os bombons apresentam uma grande variedade de tipos de recheios. Os principais são: Boiling (ou fervidos, que incluem o caramelo, ou butterscotch, e o fudge), Fondants, Croquant (ou crocantes), Gianduja (ou Gianduia), Marzipã, Praliné, Nougat, Trufas, Palets e Ganache.
 




Drying beans
It’s probably no surprise that chocolate is what drew me to Hawaii. The bean-to-bar revolution happening in mainland USA has certainly had an impact in the Pacific island chain, and I managed to visit no fewer than four chocolate factories during the course of my 10 day stay.
But what really drew me there was the cocoa. You might know that with its southerly location, Hawaii has the distinction of being the only US state where cocoa can grow. So one of the most exciting parts of my trip was a visit to the Original Hawaiian Chocolate Factory on Big Island.
Pam Cooper


OHCF don’t just make chocolate from the bean, they grow the cocoa for it on site. Where most chocolate companies have all sorts of logistical and ethical issues sourcing beans from around the world, Bob and Pam Cooper can see the trees from the factory window.
Hawaii’s climate is challenging for cocoa farmers, forcing OHCF to harvest their cocoa pods every two weeks, year round. With small, regular harvests, maintaining consistency throughout the fermentation, drying and chocolate making process is no easy task.


Cutting cocoa pods to check ripeness


With pods at all stages of development on every tree, finding the ripe ones can be a challenge in itself. A small cut in the pod to check the colour of the flesh underneath helps the team identify the ripe pods. The farm is relatively small, with 1,400 trees, but checking and maintaining every tree is a major task.
Looking around the farm, it’s clear to see why many smaller farmers struggle to make a living from their crop. It’s a lot work for a crop that is ultimately undervalued. The cocoa price may be on the rise, but while much of the world is addicted to cheap confectionery chocolate, for many farmers around the world it’s simply not a worthwhile endeavour.


Opening the cocoa pod


Of course, OCHF have a major advantage in that there are no middlemen taking a cut along the way, and all the cocoa they grow (along with that from a couple of neighbouring farms) goes straight into their own factory.
And a very impressive factory it is too.


Roasting and cooling the beans


The Coopers have invested significantly in chocolate making machinery at OHCF. And while it’s still small by most chocolate making standards, it’s significantly bigger than any of the other chocolate makers in Hawaii – and bigger than most I have come across.
While many small-batch chocolate makers rely on a small Cocoa Town melanger and a DIY winnower, the Coopers opted to source the kind of equipment you’re more likely to find in a more automated chocolate company. This is serious kit.


Conch


It might seem like overkill when compared to the likes of Manoa or Madre, but in order to make the farm financially viable, it’s a necessary investment.
OHCF currently have a range of three main bars; a milk chocolate, dark chocolate and a dark chocolate made with Criollo beans from a neighbouring farm (different variety beans are kept separated to prevent cross-fertilisation).
Tasting the bars, I feel they’re designed to appeal more to the mass market than they are to the bean-to-bar connoisseur. Despite my preference for the more refined small batch chocolates out there, that’s not necessarily a bad thing.
It proves that even an every day chocolate bar can be produced from tree to bar, efficiently, ethically and sustainably without commodity trading middlemen skimming off more than their fair share. It’s good for the industry and it’s great for a local economy that’s still feeling the effects of economic recession.
I thoroughly enjoyed my visit to The Original Hawaiian Chocolate Factory. There is a public tour and if you get a chance, it’s well worth visiting. It’s truly wonderful to be able to see how chocolate is made from the first flowers growing on the trunks of the cacao tree right up to a finished chocolate bar. It certainly made me appreciate chocolate and the people that make it more than ever.


Photo Gallery









 Selecionamos alguns macetes de chef para manipular chocolate: doce com tempero (como tendência sem erro) e soluções para acertar na textura da mousse.

Como temperar o chocolate:
Em primeiro lugar ele deve ser derretido, nunca em uma panela sobre o fogo, ou poderá queimar. Use uma panela para banho-maria ou um bowl sobre uma panela com água fervente, certificando-se de que não tenha contato com o vapor. Pique o chocolate em pedaços médios e uniformes e coloque-os na panela banho-maria. Leve ao fogo e o apague assim que a água começar a ferver. Quando começar a derreter, mexa para homogeneizar. Despeje 2/3 da mistura sobre uma placa de mármore ou granito e mexa com uma espátula em movimentos para frente e para trás até que o chocolate engrosse à medida que resfria. Devolva-o ao recipiente e mexa uniformemente até que a massa fique homogênea. Para conferir o resultado, retire uma amostra do chocolate e encoste uma espátula. Deixe endurecer em temperatura ambiente (no máximo 22ºC). Se estiver bem temperado, endurecerá rapidamente.

Chocolate para mousse:
Na preparação de mousse, escolha um chocolate amargo e com alto teor de cacau, pois as adições dos ingredientes tendem a suavizar o sabor do chocolate. Usando em uma receita o chocolate 70%, após todas as outras adições o produto final ainda manterá suas características tanto na cor quanto no sabor. A consistência de mousse preparada com chocolate amargo também apresenta resultado mais firme.

Ainda sobre mousse:
A mousse de chocolate não costuma levar gelatina na sua composição, mas isso não impede de em regiões mais quentes ela seja adicionada, principalmente se é uma sobremesa que ficará exposta em buffet.

Na ponta da faca:
Para cortar ovos de chocolate e montar esculturas, basta aquecer uma faca sem serra em água quente, secar com um pano e trabalhar as peças. Para uni-las, basta deixar por alguns instantes as bandas em uma chapa quente para que fiquem retas, sem imperfeições.

Nada de desperdício:
Rebarbas e aparas podem ser derretidas novamente e usadas em misturas como frutas secas ou ainda para a confecção de bombons.


Sem comentários:

Enviar um comentário

Deixe o seu comentário.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...